Ir para o conteúdo principal

China Brasil Futebol

  1. Notícias >
  2. "Ser o maior artilheiro do futebol tailandês me deixa orgulhoso" recém-chegado na China, brasileiro conta sua história

"Ser o maior artilheiro do futebol tailandês me deixa orgulhoso" recém-chegado na China, brasileiro conta sua história

Confira a entrevista exclusiva com Cleiton Silva do Shanghai Shenxin

Nascido no interior de Minas Gerais e maior artilheiro de todos os tempos do futebol tailandês. Atacante de raciocínio rápido e goleador em momentos decisivos. Esse é Cleiton Silva, atacante de 30 anos que chegou para o Shanghai Shenxin da segunda divisão da China para a temporada de 2017.

Aqui alguns gols do brasileiro em sua época de Muangthong United, principal time da Tailândia.

O brasileiro aceitou falar com o China Brasil Futebol e contou um pouco mais sobre a sua história no mundo da bola. Seu começo no interior de Minas e na segundona do Capixaba, a dificuldade e “trairagem” no México, a idolatria e sucesso na Tailândia, além das expectativas para o seu novo desafio na China.

Confira o bom papo com esse mineiro boa praça:


ChinaBrasilFutebol: Para quem não está familiarizado com sua carreira, conta um pouco do seu começo no futebol aqui no Brasil e como você foi parar na Tailândia? 

R: No Brasil passei por clubes pequenos. Toda a minha categoria de base eu fiz no clube da minha cidade Governador Valadares-MG. Com joguei no Esporte Clube Democrata. Estive por lá dos 12 até os 18. Como não tive muita chance de subir pro profissional, fui jogar a Segunda Divisão do Campeonato Capixaba. Naquela época o empresário Orlando da Hora (Administra a carreira de jogadores como o atacante Nilmar) estava investindo e me contratou. Depois rodei pelo interior de Minas, em times como o Social Futebol Clube e o Valerio Esporte Clube. Em 2010 eu fui para o futebol da Tailândia através de um amigo meu que tava jogando lá. Hoje em dia ele que toma conta da minha carreira.

ChinaBrasilFutebol: Como foi sua experiência no México? O que você pode nos falar sobre o tempo que você jogou por lá?

R: Sinceramente não tenho muitas saudades do México não. Passei muita dificuldade lá. A adaptação foi ruim, a relação com os meus companheiros de clube também não foi boa, o meu time teve problemas de atraso no salário, por isso eu decidi volta para a Tailândia. 

ChinaBrasilFutebol: Pode contar um pouco mais sobre sua passagem pelo México?

R: Então, na época o Querétaro me comprou do BEC Tero Sasana da Tailândia, mas assim que cheguei lá no México me disseram que iriam me emprestar pra um time da Segunda Divisão chamado Delfines. Isso me deixou bem chateado porque eu já tinha pesquisado tudo sobre a cidade de Querétaro, e era uma cidade muito boa. Porém a cidade de Delfines era um vilarejo, muito pequena. Além de que  o time não tinha estrutura nenhuma para se trabalhar. Outra coisa que foi difícil foi a relação com os  jogadores mexicanos. Eles não me ajudaram em nada. Eu senti eles um pouco “traíra” como se diz na linguagem do futebol. Mas já é passado, foi bom para aprender.

ChinaBrasilFutebol: Você abriu mão de jogar a Champions League da Ásia para disputar a Segunda Divisão da China, o que pesou na decisão?

R: Na Tailândia eu já conquistei muita coisa, graças a Deus. Então eu pensei que precisava de um desafio novo. Se eu marcasse 20 gols lá na Tailândia não seria muita novidade, entretanto se eu consigo marcar 20 gols aqui na China seria incrível e muito bom para a minha carreira.

ChinaBrasilFutebol: O que você encontrou de estrutura de trabalho do Shenxin?

R: Estrutura na China é muito melhor do que na Tailândia. As condições de trabalho também são muito melhores. Sem falar nos campos de treinamento, academias, na fisioterapia, por exemplo, as máquinas são de última geração. É tudo muito bom.

ChinaBrasilFutebol: Você jogou em três clubes na Tailândia e estava no Muangthong United desde julho de 2014. Quais diferenças você pode ver entre o estilo do futebol chinês e do futebol tailandês?

R: Como eu tô jogando a segunda divisão aqui na China, acho que o futebol é muito físico e de bolas altas. Mas meu time tenta jogar com a bola no chão, até mesmo porque eu e o Biro-Biro (brasileiro que também joga no Shanghai Shenxin) temos que jogar com ela no chão. A primeira divisão na Tailândia o futebol é mais cadenciado e de toque de bola, não é tão rápido como aqui.

ChinaBrasilFutebol: Em maio passado, você se tornou o primeiro estrangeiro a fazer mais de 100 gols na primeira divisão tailandesa e foi artilheiro da elite da Tailândia em 2012 e 2016. Pretende repetir o feito, agora pelo Shanghai Shenxin?

R: Na Tailândia eu fui muito feliz, uma das felicidades foi marcar 119 gols na liga tailandesa, eu sou o maior artilheiro daquele país. E isso é uma coisa que me deixa muito orgulhoso. Repetir aqui isso tudo acho difícil, mas quem sabe. Meu projeto é ficar aqui por pelo menos 4 anos. Eu e a minha família estamos nos adaptando muito bem. A cidade de Xangai é muito bonita. Claro que ainda não deu pra aproveitar muito porque ainda tá muito frio e  tem chovido bastante nos últimos dias.

ChinaBrasilFutebol: Você e o Biro Biro começaram 2017 em alta no Shanghai Shenxin. Como funciona o entendimento entre vocês dentro e fora de campo?

R: O Biro ajudou muito na minha adaptação. Ele foi uma das razões que me adaptei bem rápido. No campo ele é um jogador fantástico, muito rápido. Tenho sorte em ter ele aqui comigo. É um cara de bom caráter e temos nos dado muito bem. Um moleque novo e de muito bom coração.

Confira tudo dos brasileiros na China pelo portal e nas nossas redes sociais.

Comentários